Conselho Tutelar, o “Procon” da área da infância e adolescência – Por Tiago Ranieri

2 de junho de 2017

Os conselheiros tutelares são agentes que procuram assegurar os direitos da criança e do adolescente, abordando-as, sensibilizando-as, identificando suas necessidades e demandas e desenvolvendo atividades e tratamento. Eles funcionam como uma espécie de “Procon” da área da infância e adolescência, pois recebem o encargo de atender brasileirinhos em situação de risco pessoal e social, em razão dos seus direitos terem sido ameaçados ou violados por ação ou omissão da sociedade ou do Estado.

Esta ocupação, prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), nasceu da necessidade de se implementar os direitos fundamentais estabelecidos na Constituição Federal de 1988, em especial os direitos das crianças e dos adolescentes. O trabalho desses agentes é exercido em instituições ou nas ruas, geralmente em equipes multidisciplinares. Os horários são variados: tempo integral, revezamento de turno ou períodos determinados.

Socialmente, o Conselho Tutelar tornou-se uma das primeiras instituições da democracia representativa, uma vez que seus membros são escolhidos pela própria sociedade. É um órgão garantista da exigibilidade dos direitos assegurados nas normas internacionais, na Constituição e nas leis voltadas à população infanto-juvenil. Sua atuação vai além da requisição de serviços, passando pela identificação das vulnerabilidades, buscando trata-las na dimensão e especialidade que merecem.

Para tornar suas decisões efetivas, os conselheiros tutelares podem requisitar serviços públicos nas áreas da saúde, educação, assistência social, previdência, trabalho e segurança. Diante de qualquer situação de vulnerabilidade, risco e/ou ameaça aos direitos da criança e do adolescente, o Conselho Tutelar tem a legitimidade e obrigatoriedade de atuar para que o princípio da proteção integral e prioridade absoluta sejam garantidos e concretizados.

Também é papel do conselheiro agir para coibir o trabalho infantil, aquele desempenhado por pessoa abaixo de 16 anos de idade. Num país em que a desigualdade social impera, o trabalho abaixo da idade mínima ainda é visto, pelo senso comum, como uma alternativa a miserabilidade e a marginalidade. Infelizmente, essa visão atinge a atuação do próprio conselheiro tutelar, o que gera uma grande deficiência no combate desta mazela social.

Esse olhar equivocado acontece por falta de capacitação e qualificação, de sensibilidade com o tema (achar que o trabalho antes de 16 anos é natural, torna-o invisível) e da ausência de um Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente efetivo. Disso surge um paradoxo: se o “soldado” de frente (conselheiro tutelar) não consegue identificar o “inimigo”, toda a atuação do restante do sistema de garantia de direitos (CRAS, CREAS, MPE, MPT, Justiça) fica comprometido, pois a rede não será acionada a tempo e na proporção que foi planejada.

Importante ressaltar que não é papel do conselheiro tutelar fiscalizar empresas que exploram mão de obra infantil. Essa competência é do auditor fiscal do trabalho. Entretanto, ao conselheiro cabe identificar a ocorrência do trabalho infantil e, para isso, ele tem que estar apto a detectar essa, colher dados para acionar a rede de proteção, requisitar serviços e notificar ao Ministério Público do Trabalho.

Há ainda a necessidade de o conselheiro tutelar conhecer todos os atores da rede proteção do seu município (CMDCA, CRAS, CREAS, diretores e professores de escolas, agentes comunitários de saúde, promotor de justiça, juiz da infância, juiz do trabalho e Procurador do Trabalho, dentre outros) e saber quais as alternativas existentes que podem ser ofertadas para solução do problema.

Certamente, sem Afetividade pelos direitos da criança e do adolescente, jamais teremos Efetividade na luta para o qual o Conselho Tutelar foi criado.

* Tiago Ranieri de Oliveira é Procurador do Trabalho e Vice-Coordenador Nacional da Coordenadoria de Combate à exploração do trabalho da Criança e do Adolescente (COORDINFANCIA/MPT)

 

 

 

 

 

« Voltar


Facebook
Facebook
Google+
http://www.chegadetrabalhoinfantil.com.br/conselho-tutelar-o-procon-da-area-da-infancia-e-adolescencia-por-tiago-ranieri/">
Twitter

Comentários